Jovem de 11 anos assustada entrega uma carta ao professor: Ele corre até ao telefone e chama a polícia

Ser vítima de um crime sério pode ter consequências graves no futuro. Pode gerar medo, insegurança, e no pior dos casos, problemas de saúde mental para a pessoa envolvida, caso não sejam ajudados.
Por isso é que é tão triste quando acontece; porque cause problemas no futuro. Um caso memorável em particular envolve uma mulher de Louisiana, EUA, e a sua filha de 11 anos, que sofreram de abusos…
O namorado da mulher mantinha a mãe e a filha presas em casa, e a mãe tinha tanto medo dele, que não se atrevia a contatar a polícia, de acordo com a CNN. 
Felizmente, a filha podia ir à escola, por isso a mãe criou um plano para as salvar.
Ela escreveu uma mensagem num papel pequeno e disse à sua filha para o levar para a escola. 
Quando a menina chegou à escola, fez como foi ordenada e deu o papel ao professor. O professor contatou a polícia de imediato, e alertou-os sobre o problema do qual não suspeitavam.
Quando os polícias chegaram à caravana onde a mãe estava presa, ninguém abriu a porta. Por isso foram-se embora.
Próxima tentativa de captura
Pouco depois, contudo, um tribunal deu um mandato à polícia, que lhes dava permissão para entrar na propriedade. Eles entraram na caravana rapidamente, e prenderam o namorado, depois de libertarem a mãe e a filha.
Nenhuma delas estava ferida, mas o abuso mental que sofreram vai atormentá-las para sempre. 
“É assustador quando um aluno nos entrega um papel a pedir ajuda”, disse o xerife de East Feliciana Parish, Jeff Travis, depois da busca.
O culpado, Donald Ray Guy, já era conhecido pela polícia e foi colocado custódia, e espera pelo julgamento.
Graças à jovem de 11 anos que levou o papel para a escola – e à sua mãe que o escreveu – acabou tudo bem.
Podemos apenas esperar que os problemas que enfrentaram não as afete muito no futuro. 
Partilhe esta história com os seus amigos no Facebook e ajude-nos a homenagear esta jovem e a sua mãe pela sua coragem!
Com tecnologia do Blogger.