Header Ads

"Deixam-nos pedir hambúrgueres. Enterrar os nossos pais? Não podemos"

De uma das bancadas de oposição ao governo de Pedro Sánchez surgiram duras críticas ao "equilíbrio perverso entre saúde e economia" do atual executivo.


O parlamento espanhol decide, nesta quarta-feira, se vai ou não prorrogar o estado de emergência por uma terceira vez, sendo que a ser aprovado terá início a 26 de abril com o término a ocorrer a 9 de maio.

Na sessão parlamentar que está a decorrer no país vizinho, a força das declarações da oposição contra a gestão de Pedro Sánchez está a incidir sobretudo no "equilíbrio perverso entre saúde e economia" do atual executivo no combate à atual pandemia.
Gabriel Rufián, deputado da ERC, sublinhou que "trabalhos não essenciais tornam-se em pessoas não essenciais", deixando também uma crítica severa à regulamentação do confinamento.
Rufián continua a defender o confinamento total: "Preste atenção no que lhe dizemos: não abra a sua mão". E censura a centralização das medidas, pedindo a recuperação dos poderes regionais para combater a pandemia. "Eles anunciam e retificam. Isso não é informar, é alarmar", referiu um dos principais líderes da causa independentista catalã, deixando um sério recado à comunicação governamental.
Rufián criticou ainda o executivo de Pedro Sánchez por dar prioridade à economia, fazendo recurso a duas comparações: "Não faz sentido que tu possas ir comprar tabaco, mas que uma criança não possa ir brincar, que as pessoas possam continuar a pedir hambúrgueres, mas não tenham oportunidade de enterrar os seus pais".
Com tecnologia do Blogger.
Big Brother 2020 - Reality Show - BB2020 - BB 2020 - Sondagem BB2020 - Sondagem Big Brother 2020